FilosofiaHistóriaJornalismoMovimento RevolucionárioOlavo de Carvalho

Escondendo o jogo

Antonio Prata faz eco à estratégia de ataque simultâneo ao filósofo Olavo de Carvalho. Em um artigo recente, chamado “A milícia de Brancaleone”, o autor diz que o filósofo é lunático e teórico da conspiração, alegando como única prova, pasmem, a sua própria ignorância.

A farsa do aquecimento global foi revelada no livro Climategate, em que cientistas tiveram emails hackeados, nos quais combinavam a maquiagem dos dados científicos para que o aquecimento global parecesse algo certo e indiscutível. A própria Nasa alegou que o derretimento dos polos era irreversível e dois anos depois publicou uma notícia, com fotos, mostrando o aumento da superfície congelada em um dos polos.

O ataque às famílias ocorre por múltiplos frontes: gayzismo, gaymônio, liberação das drogas, liberação do aborto, ensino de sexo pra crianças e por aí vai a coisa. Quem tem filhos sabe que o mundo oferece diversas tentações e qualquer pai que não seja um completo idiota tem medo de perder o filho para alguma delas. O que a esquerda faz é facilitar o acesso a tudo o que pode destruir uma família. As próprias leis facilitam isso ao dar, por exemplo, direitos que são usados pelas mulheres para chantagear os maridos e vice-versa. Ao mesmo tempo que patrocinam essas políticas, as grandes famílias mantém as suas bem organizadas, controladas por um homem e com uma hierarquia bem definida.

A família é um inimigo em comum dos 3 esquemas globalistas, é o primeiro núcleo de resistência aos abusos dos governos. Isto explica porquê supostos inimigos levam agendas em comum determinadas vezes.

Quanto à participação do Soros basta rastrear o dinheiro. Os jornalistas “profissionais”, como se auto-denominam, de hoje são preguiçosos demais (ou bons demais) para realizar uma pesquisa no Google. A Open Society Foundations doa rios de dinheiro para clínicas de aborto e diversos tipos de movimentos subversivos, inclusive no Brasil. Pela mesma razão o bilionário teve sua fundação expulsa da sua terra natal. Só em outubro de 2017 a OSF recebeu um aporte de USD 18.000.000.000 de George Soros. Isso mesmo, DEZOITO BILHÕES DE DÓLARES, quase 67 BILHÕES de reais.

Antonio Prata também nega a infiltração comunista em toda educação brasileira e nesse ponto fica minha dúvida: seria aplicável ao caso a máxima de Olavo de Carvalho onde só o brasileiro chega ao ponto de ser tão burro que pareça desonesto? Nos livros da educação básica é comum encontrar elogios rasgados a Lula e a Che Guevara. Ou desenhos de como o capitalismo é triste e explorador e no socialismo todos vivem felizes. Também chovem vídeos de professores enfurecidos gritando com menores de idade por terem mencionado o nome de Jair Bolsonaro em sala de aula.

A desonestidade ganha certo grau de maldade quando o Sr. Prata coloca apenas duas opções ao governo Bolsonaro: ou o presidente segue a agenda dos grupos de pressão ativistas, ou ele quer a morte de mulheres, negros e gays. Schopenhaur definiu essa estratégia suja no primeiro dos seus 38 estratagemas: a ampliação indevida. A erística, arte do debate picareta, deve ser livro de cabeceira do jornalista da Folha.

O colunista escreve em uma linguagem falsa e rebuscada para esconder ou se afastar da verdade. Quem leu O Arquipélago Gulag, de Alexsandr Solzhenitsyn, Desinformação, de Ion Mihai Pacepa, ou Perestroika Deception, de Anatoly Golitsyn, sabe que uma das principais armas dos comunistas é esconder seus crimes e as estratégias que estão usando para cometê-los. Foi com a ajuda de jornalistas e intelectuais, que anestesiaram a percepção comum do perigo que viria, que os nazistas conseguiram exterminar 6 milhões de judeus e os comunistas 150 milhões de pessoas, na sua grande maioria civis desarmados, de suas próprias populações, antes que se pudesse ensaiar uma reação.

Não sei se o Sr. Prata está fazendo o trabalho sujo da ideologia mais assassina da história humana ou se é apenas um idiota-útil, mas a sua estratégia de ridicularizar o oponente para que suas idéias sejam descartadas, sem que sejam para isso vencidas, é um truque velho descrito pelos três autores acima. Outra vez a erística: rótulo odioso.

Negar os fatos mais patentes e esconder as estratégias é parte essencial na implementação do comunismo. Não por outra razão o Livro Negro do Comunismo explica:

“A cumplicidade daqueles que enveredaram na servidão voluntária não foi – e continua não sendo – abstrata e teórica. O simples fato de aceitar e/ou assumir uma propaganda destinada a esconder a verdade demonstrava e continua demonstrando uma cumplicidade ativa. Pois tornar público é o único meio – ainda que não seja sempre eficaz, como acaba de mostrar a tragédia de Ruanda – de lutar contra os crimes de massa cometidos em segredo, protegidos dos olhares indiscretos.”

Infelizmente para o pessoal da Folha de São Paulo e de toda a mídia brasileira, que escondeu por 13 anos quase todos os crimes do governo mais ladrão e mentiroso da história do Brasil, a sua credibilidade está no piso e o povo brasileiro já está consciente desse tipo de truques.
Antes vocês gozavam da nossa confiança, agora o povo parte da premissa de que são mentirosos. Querem passar alguma informação? PROVEM-A.

Tags
Ver mais

Redação Rádio MCI

A Rádio MCI tem como missão apresentar Música de qualidade, uma programação voltada para aquisição de Alta Cultura e a divulgação de informações relevantes para o público ouvinte, em especial assuntos que afetam diretamente nossas vidas no atual contexto sócio-político-cultural do Brasil, da América Latina e do Mundo.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar